sábado, 4 de junho de 2011

O MITO DA DEMOCRACIA RACIAL NO BRASIL

Para debater o assunto, foram convidados o sociólogo e jornalista Astrogildo Esteves Filho, do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP), o professor universitário Lucimar Barros da Rocha e a coordenadora do Programa de Estudos e Debates dos Povos Africanos e Afro-Americanos e professora da Uerj, Magali da Silva Almeida. 


E MAIS:

Reportagem Especial

Bombeiros contam por que ocuparam quartel no Rio de Janeiro.

O jornalista Antonio Figueiredo, em frente à Corregedoria de Polícia, no bairro de Neves, entrevistou Heitor Fernandes da  Conlutas, Central Sindical Popular, que ali estava em solidariedade  às reivindicações e repudiando a atitude do governador Sérgio Cabral, juntamente com vários sindicatos. Ele anunciou uma passeata  até Copacabana, pela libertação dos bombeiros.
Também foi ouvida pela reportagem uma das mães dos 439 bombeiros detidos.


Notícia da Semana

Professores municipais em estado de greve


Censura Livre também é humor:  

Luta dos professores é motivo de discussão entre dona Desaparecida e seu Asnovo


Por Dentro da Música

A MPB e o outono, com Ana Carolina, Zizi Possi e Ed Motta

Um comentário:

  1. Por que o ato dos bombeiros cria um precedente perigoso

    Os bombeiros assim como qualquer categoria têm o direito de pedir melhoria salarial, ocorre que por servirem junto com a PM, sob regime militar, lhes é vetado o direto à greve. Nos últimos dias o que tenho visto no Rio é um circo. Uma categoria que vem sendo “doutrinada” por políticos faz meses, chega ao ponto de rasgar sua lei militar, invadir um quartel, ocupar e inutilizar viaturas.
    Ora, isso é inadmissível em um estado de direito. Imaginemos se médicos decidem fazer greve, invadir hospitais, furar pneu das ambulâncias e trancar as portas; E se um dia policiais em greve ocuparem os presídios e ameaçarem soltar os presos? Não obstante, teríamos ainda a possibilidade de Soldados do exército em greve, colocarem tanques para obstruir vias. Pergunto: Onde a sociedade vai parar? É esse o precedente que a sociedade deseja abrir com os bombeiros?
    Para que não corramos esse risco há uma legislação militar que rege as FFA, Bombeiros e a PM. Independente de qualquer pleito salarial, ela tem de ser respeitada. No momento em que a sociedade permitir que essa lei seja ignorada, estará pondo em risco sua própria ordem.

    ResponderExcluir